BURSITE DO QUADRIL – BURSITE TROCANTÉRICA


A bursa trocantérica é um tecido sinovial localizado superficialmente ao trocanter maior, a parte do fêmur proximal que é saliente lateralmente no quadril. Na realidade, todo indivíduo tem 4 ou mais bursas trocantéricas em cada quadril. Estas bursas funcionam como se fossem um “saco vazio” sobre as proeminencias ósseas, facilitando o deslizamento de tendões e fáscias sobre o osso. Bursite trocantérica é uma causa comum de dor no quadril e os pacientes frequentemente sofrem limitação nas suas atividades físicas e dormem com dificuldade. A inflamação de qualquer uma das bursas trocantéricas é conhecida como bursite trocantérica e é uma das causas mais comuns de dor no quadril. Algumas pesquisas sugerem que não é somente a inflamação da bursa que causaria dor. As bursas trocantéricas possuem pequenos nervos em seu interior que irritados ou comprimidos podem causar dor. Outras doenças podem evoluir com dor na região trocantérica, como a ruptura dos tendões abdutores. Por estes motivos, alguns autores têm sugerido o nome síndrome da dor trocantérica lateral em substituição a bursite trocantérica. Existem também outras bursas que podem causar sintomas no quadril, como a bursa isquiática e do músculo iliopsoas, porém são bem menos frequentes que a bursite trocantérica.

Causas A bursite trocantérica é causada por movimento exagerado dos tendões e fáscias sobre o trocânter maior. Pressão direta pode causar ou agravar os sintomas. Com a evolução da inflamação, a bursa progressivamente perde a sua função deslizante (“como um saco vazio”) e engrossa suas paredes. Os pacientes com bursite trocantérica frequentemente apresentam uma ou mais das seguintes condições: doença na coluna lombar; diferença de comprimento entre os membros inferiores; doença na articulação sacroilíaca; artrose do joelho e entorse do tornozelo. Acredita-se que estas anormalidades possam alterar a marcha e consequentemente irritar a bursa trocantérica. Sintomas Apesar de existirem mais de quatro bursas trocantéricas que podem ser afetadas, os sintomas são geralmente os mesmos independentemente da bursa afetada. A bursite trocantérica causa dor na lateral do quadril e na coxa, podendo causar dificuldade para caminhar. A pressão direta sobre a bursa aumenta a dor e é difícil  deitar sobre o lado afetado. Por todas estas manifestações, a bursite trocantérica pode prejudicar o sono, evitar a realização de atividades físicas e reduzir significativamente a qualidade de vida. Bursite trocantérica é a causa mais comum de dor lateral no quadril. Porém as seguintes causas também devem ser consideradas: problemas intra-articulares, rupturas nos tendões glúteos; fratura oculta; ressalto externo do quadril; metástases tumorais e outras causas incomuns. Exames Geralmente exames complementares não são necessários para o diagnóstico. Apesar disso, radiografias são solicitadas para excluir-se algumas doenças. Ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética são úteis em alguns casos para auxílio no diagnóstico, descartar outras doenças e guiar o tratamento. A infiltração da bursa trocantérica também é útil no diagnóstico de alguns pacientes.

303

Tratamento da bursite trocantérica    O tratamento não cirúrgico da bursite trocantérica alcança resultados satisfatórios na maioria dos pacientes, incluindo o uso de medicações, fisioterapia e infiltrações. A resolução definitiva (“cura”) da bursite trocantérica pode ser difícil de ser alcançada em alguns casos, o que não significa que não haverá melhora dos sintomas com o tratamento. As medicações são analgésicos e anti-inflamatórios. A fisioterapia associa medidas locais de temperatura com exercícios de alongamento dos tecidos que fazem pressão sobre a bursa. Alterações na marcha e função muscular também podem  ser corrigidas pela fisioterapia em alguns casos. O uso de ultrassonografia terapêutica, estimulação elétrica percutânea (TENS) ou terapias por ondas de choque podem eventualmente ser indicados. A infiltração da bursa com anestésico e esteróide pode ser indicada quando as medidas anteriores não controlaram os sintomas. A tratamento cirúrgico é indicado na minoria dos pacientes, naqueles em que os sintomas causam importantes limitações e o tratamento sem cirurgia não trouxe bons resultados. A cirurgia envolve a retirada da bursa inflamada e geralmente a liberação de tecidos (fáscias) causando pressão sobre a bursa trocantérica. Os tendões abdutores são avaliados e rupturas podem ser reparadas, da mesma forma que nos reparos de tendões do ombro. A cirurgia pode ser realizada de maneira tradicional, chamada aberta ou por videoartroscopia (endoscopia). A evolução nos materiais e técnicas têm permitido que procedimentos cada vez mais complexos sejam realizados através da videoartroscopia do quadril.

Referências:
  • Pfirrmann CWA, Christine BC, Nicolas HT, Debra JT, and Donald R. Greater Trochanter of the Hip: Attachment of the Abductor Mechanism and a Complex of Three Bursae - MR Imaging and MR Bursography in Cadavers and MR Imaging in Asymptomatic Volunteers. Radiology. 2001.
  • Tirith DCAH, Stanley WM, and Remedios CD. Anatomical Study of the Trochanteric Bursa. Clinical Anatomy. 2003.
  • Fox JL. The role of arthroscopic bursectomy in the treatment of trochanteric bursitis. Arthroscopy. 2002.
  • Baker CL, Massie RV, Hurt WG, Savory CG. Arthroscopic bursectomy for recalcitrant trochanteric bursitis. Arthroscopy. 2007.
  • Voos JE, Shindle MK, Pruett A, Asnis PD, Kelly BT. Endoscopic repair of gluteus medius tendon tears of the hip. Am J Sports Med. 2009.
  • Domb, B. G., Botser, I., & Giordano, B. D. Outcomes of endoscopic gluteus medius repair with minimum 2-year follow-up. Am J Sports Med. 2013.
  • Martin HD. Diagnostic Arthroscopy. In: Kelly BT, Philippon MJ, editors. Arthroscopic Techniques of the Hip: A Visual Guide. Slack Incorporated; 2009.
 

DEPOIMENTO

"Os cursos online são infinitamente mais produtivos, pois temos a chance de vermos várias vezes e temos uma formação teórica muito melhor. Este tipo de curso deve ser incentivado na fisioterapia, a qual quase não possui sites disponibilizando. Espero que o site Valéria Figueiredo continue oferecendo mais e mais cursos online."
Rodolfo Campos, São Luís-MA

CONHEÇA NOSSOS CURSOS